Notícias

Semae recebe projeto básico para captação de água no rio Grande

 

   A empresa Estática Engenharia apresentou na noite desta quarta-feira (12/12), na reunião do Conselho Consultivo do Semae – Serviço Municipal Autônomo de Água e Esgoto de Rio Preto, o projeto básico para a captação do rio Grande. Essa é a primeira etapa do projeto executivo do Sistema Produtor Rio Grande. Quando estiver em plena operação, o rio Grande poderá disponibilizar para São José do Rio Preto 3m3 por segundo, o suficiente para abastecer uma população de mais de um milhão de habitantes.

 

   Durante a reunião, que contou com as presenças do prefeito Edinho Araújo, do superintendente do Semae, Nicanor Batista Jr. e dos conselheiros, o diretor da Estática Engenharia, de São Paulo, José Marinho Pereira dos Santos, detalhou a concepção da proposta. O projeto prevê a captação de água bruta no rio Grande a jusante da Usina de Hidroelétrica de Marimbondo, com a tomada de água por meio de um canal transversal à margem do rio.

 

   Serão construídas duas estações elevatórias. A primeira de baixa carga com bombas submersíveis. A segunda de alta carga, com bombas de eixo horizontal. A água será conduzida até a ETA Norte por uma adutora com diâmetro de 1,5 metro e 54,6 quilômetros de extensão conectada à estação elevatória de alta carga.

Também está prevista a construção de uma estação de tratamento de água tipo convencional em ciclo completo e a macrodistribuição de água tratada a partir do reservatório pulmão da ETA Norte. Essa distribuição será feita por 46,4 quilômetros de adutoras e 75,4 quilômetros de ramais, num total de 121 quilômetros de extensão distribuídos pelo município de Rio Preto.

 

   A obra tem um custo total de R$ 846 milhões, sendo R$ 773 milhões na primeira etapa, quando serão produzidos 1.500 l/s e R$ 72 milhões na segunda etapa, quando sistema terá capacidade de produzir R$ 3.000 l/s. Segundo José Marinho, o Sistema Produtor Rio Grande será complementar a atual produção de água feita pelo Semae. “A captação de água no rio Grande vai possibilitar que o Semae faça um uso mais racional do atual sistema que abastece a cidade. Os poços deficitários, aqueles que apresentam problemas e mesmo por questões estratégicas poderão deixar de produzir”, explicou. Todo o planejamento feito pela Estática foi projetado para um período de 30 anos.

 

   Após a apresentação do projeto, o superintendente Nicanor Batista tranquilizou os conselheiros sobre a capacidade de viabilizar financeiramente o projeto. “Neste ano, o Semae terá um superávit acima de R$ 50 milhões. Isso significa que podemos levantar um financiamento em bancos de fomento ou no BNDES, com juros subsidiados, pois temos condições de fazer os pagamentos das parcelas. Além disso, existem outros mecanismos que poderão ser utilizados para viabilizar o projeto, como verbas federais”, disse.

 

   O prefeito Edinho classificou a apresentação de suma importância. “Estamos, aqui nesta sala, discutindo o futuro da nossa cidade e das próximas gerações. Água significa saúde e desenvolvimento. Lá atrás tivemos a coragem de criar o Semae, de construir a estação de tratamento de esgoto e agora vamos enfrentar esse desafio de trazer a água do rio Grande. Temos de agir logo. Outras cidades estão interessadas e o rio tem limite de fornecimento de água.”

 

   A empresa Estática Engenharia Ltda. venceu a licitação para a elaboração de estudos de concepção ambiental, projetos básicos e executivos de um novo sistema de captação, tratamento e adução de água para Rio Preto, denominado Sistema Produtor Rio Grande. Após o início do projeto, a empresa Estática Engenharia tem 24 meses para a sua conclusão. A ordem de serviço foi dada no dia 22 de fevereiro deste ano.

 

   Atualmente, o Semae produz 3.900.000m3 por mês de água tratada, sendo 25% originários da ETA – Estação de Tratamento de Água; 50%, dos 340 poços do Aquífero Bauru; e 25%, dos oito poços profundos do Aquífero Guarani. A quantidade é suficiente para abastecer os 450 mil moradores de Rio Preto, mais a população flutuante da cidade, que somados aproximam-se dos 500 mil habitantes.

 

   Outros temas

 

   Ainda durante a reunião do Conselho, a gerente de Operação e Manutenção de Água, Jaqueline Reis, fez uma explanação sobre o Sistema de Automação e Telemetria colocado em operação que permite o acionamento de poços e bombas remotamente, além do monitoramento de parâmetros operacionais. Esse sistema, em conjunto com os macromedidores, realiza a transmissão de dados operacionais para o sistema supervisório monitorando 80 sistemas de abastecimento de água em Rio Preto. Todo esse acompanhamento é feito na Central de Controle Operacional. Isso possibilitou que os níveis de perdas fossem reduzidos de 34% (2015) para 28% (2017).

 

   Encerrando a reunião o superintendente do Semae apresentou aos conselheiros e ao prefeito Edinho as principais ações da autarquia no ano de 2018, com destaque para a implantação do Plano Municipal de Saneamento Básico e para a recuperação da capacidade de investimento.